Fique por dentro do RFid

 

Você sabe o que é rastreabilidade?

 

Quanto maior é o acesso de um gestor a informações de qualidade, mais poder ele possui para tomar decisões mais assertivas, em menor tempo hábil – o que, em tempos de competitividade acirrada, pode acabar criando uma vantagem competitiva. Esse controle é essencial para conseguir acompanhar as operações e identificar rapidamente qualquer variável que possa causar algum impacto nos resultados.

 

Nesse sentido, surge o conceito da rastreabilidade. Continue acompanhando nosso artigo de hoje e saiba o que é rastreabilidade e como ela é vantajosa para as empresas!

Você_sabe_o_que_é_rastreabilidade.jpeg

O que é rastreabilidade, afinal?

 

O conceito de rastreabilidade pode ser definido como a habilidade de poder rastrear determinado objeto. No ambiente empresarial, ele surgiu através da necessidade de identificar a localização de um produto – matéria-prima, mercadoria, embalagem, entre outros – dentro da cadeia de suprimentos, além de, também, ser muito utilizado para manter padrões de controle de qualidade.

 

Esse rastreamento é feito por meio de um código – que pode ser o código de barras, por exemplo – e, através dele, é possível saber informações sobre o item: o que é, quais são suas origens, seu destino e em que ponto da cadeia logística ele se encontra. Sendo assim, para conseguir aplicar o rastreamento, é necessário possui três dados fundamentais:

 

  • A identificação do produto – que é feita através de um código. Dessa forma é possível identificar, com maior precisão, o que está sendo procurado;
  • A informação de origem – de onde o produto vem;
  • Qual é o seu destino – para onde o produto vai.

 

De que forma ela pode ser aplicada em uma empresa?

 

Existem diversas forma de rastreabilidade de produtos que auxiliam no controle do processo produtivo, no acompanhamento do fluxo de materiais e no controle de qualidade das atividades realizadas. Confira abaixo alguns deles:

 

Gerenciamento de ativos em uma indústria

 

Ativos são classificados como qualquer bem físico que a empresa possui e pode controlar – que podem ser máquinas, ferramentas, equipamentos, paletes, entre vários outros. O acompanhamento desses bens consiste em acompanhar o seu ciclo de vida e seus níveis de depreciação. A rastreabilidade também permite controlar quais quer mudanças de localização, avaliar a disponibilidade e a ociosidade de cada um. A intenção disso é conseguir aprimorar os níveis de produtividade e aumentar os índices de aproveitamento desses bens.

 

Produção automatizada

 

Existem sistemas que auxiliam e registram a evolução de determinado produto desde seu estado de matéria prima, até quando ele se torna o produto final. Isso fornece um controle muito grande sobre o processo produtivo, sua evolução, a utilização de insumos e recursos, etc. Nesse controle produtivo, os códigos de barras e as etiquetas RFID, por exemplo, são utilizados como forma de rastreamento.

 

Essas informações permitem planejar e organizar melhor as etapas de uma manufatura, mesmo que as linhas de produção estejam direcionadas para a fabricação de linhas de produtos diferentes, visto que o controle de rastreabilidade permite acompanhar o desempenho e as necessidades de cada processo de produção.

 

Com isso, pode-se utilizar as informações para análise do fluxo produtivo, acompanhamento dos produtos dentro da fábrica e para auxiliar no planejamento, avaliação de falhas, identificação de melhorias, redução de desperdícios, entre outras coisas.

 

Processo de logística interna

 

Códigos de barras podem ser utilizados em caixas, paletes e containers para identificar materiais e auxiliar o processo logístico interno. Dessa forma é possível controlar todas as movimentações internas que acontecem e a realocação de produtos, bem como as baixas ocasionadas em caso de utilização em um processo produtivo ou em vendas.

 

Essa rastreabilidade ajuda a controlar os níveis e a acuracidade do estoque, evitar perdas, furtos e extravio de materiais e ainda organizar a logística interna de uma forma mais sistêmica e ágil.

 

Kanban eletrônico

 

O Kanban é um sistema criado no Japão, que quer dizer “sinalização”. Seu objetivo é auxiliar na gestão do fluxo de materiais em um processo produtivo, através de cartões que indicam a chegada ou a necessidade de determinado material dentro da empresa. A princípio esse processo era feito de forma manual, através da atualização desses cartões.

 

Porém, com a utilização de um código de barras, por exemplo, o rastreamento e o controle da movimentação de materiais dentro de uma empresa passa a ser feito de forma automática, o que torna o processo bem mais confiável e ágil.

 

Além disso, com a integração de sistemas, essa rastreabilidade pode ser ainda maior, quando as integrações do Kanban eletrônico são feitas com os fornecedores externos. Além de otimizar o processo de abastecimento, torna-se possível acompanhar o fluxo desses materiais e, inclusive, estabelecer, uma previsão de chegada – o que auxilia no planejamento dos processos internos de recebimento, estocagem e direcionamento para a linha de produção, por exemplo.

 

Logística externa

 

A ideia por trás disso é basicamente a mesma da logística interna: controlar o fluxo de materiais ao longo de determinado processo. Porém, nesse caso, a rastreabilidade acaba sendo bem mais abrangente, compreendendo a cadeia de suprimentos. Nesse sentido, os produtos são monitorados desde o fornecedor, até a sua chegada no cliente final – envolvendo, inclusive, a logística interna.

 

Um exemplo bem comum da rastreabilidade na logística externa é o monitoramento de pedidos em sua distribuição. Quando o pedido de determinado cliente é inserido no sistema, ele possui um ou mais itens, que por sua vez possuem códigos de barras individuais que facilitam sua localização no estoque (rastreabilidade interna). Ao realizar a separação desses pedidos, eles são enviados para a área de consolidação de cargas e são linkados a um transporte – que por sua vez possui uma documentação específica, com informações sobre o veículo, motorista, rota, entre outras.

 

Sendo assim, na hora de rastrear um item de um cliente por meio dos códigos é possível saber qual o status da entrega e até mesmo a previsão de chegada ao consumidor final.

 

Quais são as principais vantagens que ela proporciona?

 

A ideia por trás da rastreabilidade está diretamente ligada à necessidade de acompanhar o fluxo de produtos – que pode ser tanto para adequação de legislação e normas, garantindo a qualidade e segurança dos itens que são disponibilizados no mercado, quanto para atender as necessidades do cliente. Dessa forma, podemos dizer que as principais vantagens que a rastreabilidade proporciona para as empresas são:

 

 

  • Maior garantia de qualidade e segurança dos produtos inseridos no mercado – se for o caso de necessidade de recolhimento ou recall dos itens, é possível saber, com maior precisão, o lote defeituoso;
  • Maior eficiência no controle do fluxo de materiais, o que permite a elaboração de planejamentos mais assertivos;
  • Redução da necessidade de se manter altos níveis de estoque ao longo da cadeia de abastecimento;
  • Redução de custos, proporcionada pelo aumento da eficiência dos processos, redução de perdas e desperdícios;
  • Garantia de maior qualidade dos produtos e processos.

 

Como podemos ver, o conceito do que é rastreabilidade é bem amplo e pode ser aplicado tanto internamente, quanto ao ambiente externo da empresa. A ideia central do conceito é conseguir aplicar na prática o monitoramento dos materiais ao longo de um processo. Quando ela é aplicada tanto dentro da empresa, quanto em uma cadeia de suprimentos, esse controle se torna muito mais assertivo e permite um monitoramento ainda mais eficaz, o que proporciona excelentes benefícios para os envolvidos.

 

Agora que você já sabe o que é rastreabilidade, utilize os comentários e compartilhe as suas opiniões sobre o tema conosco. Participe da conversa!